Inteligência de Vida

Sabemos que conhecimentos acadêmicos – isoladamente – não são suficientes para alcançar sucesso na vida. É preciso muito mais. De acordo com James Heckman, prêmio Nobel em economia, as habilidades socioemocionais são tão importantes quanto o conhecimento acadêmico, particularmente no que diz respeito ao sucesso profissional e pessoal de cada um.

É fundamental que a pessoa saiba se comunicar, para transmitir bem suas ideias, e saiba trabalhar em equipe, para receber bem as ideias de outros; é necessário que seja proativa, para definir os caminhos da própria vida, e perseverante, para garantir que esses caminhos serão percorridos.

Foi pensando nisso que do Ensino Infantil à 1ª série do Ensino Médio, os alunos terão um tempo por semana dedicado, formalmente,  à aula LIV – Laboratório Inteligência de Vida. Essa aula tem como objetivo desenvolver, de maneira lúdica e interativa, as habilidades socioemocionais – chamadas também de “soft skills” na literatura acadêmica, e inteligência de vida, em nossa escola. Pensamento crítico, comunicação, autoconhecimento e empatia estarão, portanto, presentes tanto em sala de aula como na cultura da escola.

COMO ISSO ACONTECE NA PRÁTICA?

Laboratório de Inteligência de Vida

Do Ensino Infantil ao 3º ano, os alunos entram em contato com o mundo das emoções e sentimentos, descobrindo-se em pequenas questões, como: “O que é raiva? E tristeza? Como meu corpo e meu rosto reagem na presença dessas emoções?”. O autoconhecimento, a empatia e o relacionamento resultantes são fundamentais para a alfabetização emocional necessária a essa fase da vida.

Durante esse processo, o professor trabalha, em sala de aula, com diversos materiais lúdicos que se conectam com a realidade das crianças como, por exemplo, o livro A Caixa do Tomás. Nascido de uma parceria entre a Eleva Educação, a autora infantil Blandina Franco e o ilustrador José Carlos Lollo, o livro, que contém 16 capítulos, aborda em cada um deles uma emoção diferente, como raiva, felicidade, inveja e amor.

Já o currículo de Inteligência de Vida do 4º ano ao Ensino Médio se baseia no ensino de 6 habilidades: pensamento crítico, proatividade e perseverança, comunicação, colaboração e criatividade. Mas como você trabalharia colaboração em sala de aula? Colaborar pode ser um conceito abstrato, assim como várias das habilidades. Portanto,  destrinchamos cada habilidade em hábitos para ajudar o aluno a internalizá-la.

HÁBITOS DE COLABORAÇÃO

1. Primeiro o hábito do ouvido atento. Escutar o que a outra pessoa quer dizer em vez do que você quer dizer na sequência.

2. Depois vem a troca de chapéu. Tudo bem, você escutou a pessoa, mas como sentir o que ela sente; entender o que ela pensa?

3. Por fim, o hábito das 4 mãos. Se você escutou o outro lado,  sensibilizou -se com o problema dele, como considerar todos os impactos?

As aulas são baseadas em projetos, reflexões e dinâmicas que estimulam o desenvolvimento desses hábitos. Além disso, todos os nossos colaboradores recebem formação sobre as habilidades socioemocionais. Dessa forma, o pilar de Inteligência de Vida se torna algo natural e onipresente no dia a dia da escola, tanto em sala de aula, nas mais diversas disciplinas, quanto no corredor e em todas as interações existentes fora de sala.